top of page
  • Foto do escritorTati Regis

Os Cinco Diabos (2022)

Quem não deseja viver uma fuga da realidade de vez em quando? Quem não deseja um pouco de magia e de fantasia na vida? Viajar no tempo…presenciar decisões passadas que afetaram o futuro e até mudar algo no presente? Fugir, sonhar, fantasiar. É como diz aquele famoso ditado: “Sonhar ainda é de graça”, só que aqui, em Os Cinco Diabos, tem um custo.

É basicamente nesse meio que o filme Os Cinco Diabos se constrói, uma narrativa que combina muito bem o realismo com o mágico para abordar romance, responsabilidade parental, descobertas e temas espinhosos como racismo, homofobia e bullying.


Dirigido por Léa Mysius, "Os Cinco Diabos" praticamente gira em torno de três personagens femininas, da relação e da forte ligação entre elas. O filme me envolveu logo de cara com a primeira cena que é bem dramática mostrando um incêndio no clube de ginástica da cidade que dá nome ao filme e algumas personagens chorando olhando impotentes ele queimar enquanto Joanne Soler (Adèle Exarchopoulos), se vira pra gente, também chorando e como se procurasse alguém e aí corta para Vicky que acorda assustada de algum pesadelo. Vicky (Sally Dramé) tem 8 anos e é filha de Joane.


Desde então fica a sensação na gente que algo está estranho ou que aquele pesadelo parecia ser muito real. De início a gente não entende e o filme vai mesclando esse passado com o presente para contar histórias sobre os personagens sem se preocupar em explicar muitas coisas. O recurso que o roteiro se utiliza vem da criança, uma garota solitária que vive com os pais, Joanne e Jimmy (Moustapha Mbengue) numa província francesa cercada por um enorme lago e bosques, lugar perfeito para uma trama que carrega ares de gótico, bruxaria e realismo. Ela, a menina, além de ter uma forte ligação com a mãe, tem um dom: um super olfato e passa a criar meios de revisitar coisas, lugares ou pessoas através disso. Ela colhe tudo e guarda em pequenos potes tudo que possa lembrar o que ela quiser a partir dos cheiros. Vicky também é peça chave nessa trama que além de enfrentar o racismo e o bullying na escola, vive com os pais que não estão muito bem no casamento.


A trama tem sua virada quando aparece a terceira peça chave dessa história, Julia (Swala Emati), tia de Vicky, irmã de Jimmy e cunhada de Joanne. Ela chega na cidade após ser libertada da prisão e é acolhida na casa do irmão, o que a princípio deixa Joanne muito desconfortável e Vicky desconfiada. Ela parece sentir que aquele é o momento crucial na sua vida e tudo que envolve seus pais e a cidade. Vicky, como de costume, guarda os cheiros da tia num potinho e descobre de forma acidental que cheirando seu pote, ganha o poder de voltar ao passado e é assim que segredos, há muito guardados e esquecidos, são descobertos pela garota, passando a entender não só o seu lugar no mundo, mas quem são seus pais antes dela nascer, sua tia e como esse passado afetou diretamente o presente.


Os momentos de viagem no tempo acrescentam mais drama e camadas a essa história, digamos, estranha. Aliás, estranho é um bom nome para definir esse filme, já que ele não está nem um pouco preocupado em se limitar a gêneros. Numa dessas viagens de Vicky, um romance entre Joane e Julia é revelado e ela passa a ser uma espécie de assombração na vida das duas sempre que acontece seu deslocamento. O filme deixa a gente com a sensação de que existem mais perguntas a serem feitas do que respostas a serem dadas e particularmente acho isso sensacional aqui. Tudo se desenrola de uma forma tão fluida e até discreta que quando acaba o sentimento é de arrebatamento.


Por hora, vou ficando por aqui, pois este é um filme que eu poderia passar horas e horas falando sobre ele e do quanto ele é sensacional, mesmo provocando confusões e sentimentos mistos na gente. Nem sempre tudo precisa ser mastigado, explicado e tá tudo bem. Como disse lá em cima, essa viagem na fantasia e na magia as vezes se faz necessária e é gosto demais assistir a este filme pela perspectiva dessa garotinha que carrega em si alma de bruxa. Só assistam!

 

LES CINQ DIABLES (2022)

Os Cinco Diabos


Direção Léa Mysius

Duração 96 min

Gênero(s) Drama, Thriller

Elenco Adèle Exarchopoulos, Sally Dramé, Swala Emati, Moustapha Mbengue, Daphné Patakia, Patrick Bouchitey +


Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page