• Allan Azevedo

It Cuts Deep (Corte Profundo)

O plot principal da trama é uma história tão antiga quanto o tempo: a mulher quer se casar e constituir família, o homem quer evitar o assunto com uma piada. Esse é o principal conflito e ponto crucial do filme It Cuts Deep, a estreia na direção de Nicholas Payne Santos.


Durante as férias, Ashley (Quinn Jackson) é levada para conhecer a casa onde cresceu seu namorado, Sam (Charles Gould). Como o início do filme nos mostra, algo mais, estranho e sinistro pode estar escondido em segundo plano na trama enquanto o casal luta para tentar ajustar questões mais sérias do relacionamento, sem conseguir muito progresso Ashley continua decepcionada com a falta de compromisso de Sam.


As coisas começam a piorar e as diferenças do casal começam a vir à tona quando Nolan (John Anderson) um velho amigo de Sam (Charles Gould) surge e parece estar perseguindo o casal infeliz. Sam passa a acreditar que a intenção de seu antigo amigo é roubar sua companheira, ou será que existe outra razão? Talvez algo que tenha ficado aguardando escondido nos últimos 10 anos?



Para um filme com orçamento reduzido, It Cuts Deep apresenta uma fotografia linda e bem feita. Em certas cenas o filme se apresenta duro e claustrofóbico, exatamente como o relacionamento moribundo de Ashley e Sam. Os efeitos especiais (de Jared Balog e Shawn Maloy) foram simples, mas muito eficazes, optando na maioria das vezes por utilizar os sólidos efeitos práticos que funcionam muito mais em obras com pouco orçamento.


Sobre a execução do filme, acredito que Charles Gould que faz o papel de Sam é engraçado como comediante. Ele tem tempo de comédia e presença em certas cenas. O momento em que ele interpreta um "homem chique" no filme foi realmente engraçado. Se o roteiro permitisse até acredito que ele conseguiria apresentar um Sam mais próximo do que deveria ser, aquele perdedor amável que erra mais por seu jeito do que pela intenção.


A mesma observação pode ser feita para os personagens Ashley (Quinn Jackson) e Nolan (John Anderson), pois se eles tivessem um filme mais sério ou com mais espaço no roteiro para trabalhar teriam como expandir mais seus personagens a ponto de nos importarmos mais com eles. No entanto, a falta de um tom correto para o filme acaba arrastando tudo para baixo, incluindo as performances dos atores.


Confesso que em muitos momentos eu não sabia como deveria me sentir ou que reação o diretor estava buscando. O personagem com fobia de compromisso eu consegui identificar facilmente, mas o que acabou dificultando o entendimento foi a falta de conexão emocional com os personagens, nem motivação foi oferecida. Por exemplo, quando Sam começa a agir de forma estranha, é difícil de saber se isso é normal ou não para ele, nós temos uma base anterior de quem ele é ou o que ele quer. Não havia como saber se ele estava agindo normalmente ou se realmente havia algo errado.



O tom do filme muda frequentemente de "comédia" para "drama" e para "wtf, o que diabos está acontecendo?" o que me desconectou e dificultou a tarefa de entender qualquer personagem ou o mundo em que eles vivem. O que está acontecendo é apenas estranho ou algo está errado? Como o filme muda de tom com tanta frequência e os personagens não são confiáveis ​​para coletar essas informações, tornou a experiência tediosa e frustrante.


Não consegui ser levado pela parte da "comédia" nem pela do "terror". Os dois temas apenas oscilam para frente e para trás sem se apresentar realmente como uma boa comédia de terror deve fazer. Acho que um grande motivo para isso foi o diálogo entre os personagens, muito repetitivo e às vezes sem levar a história para frente. Parecia muitas vezes uma fanfic de Brooklyn Nine-Nine.


Gostaria de ver mais de Nicholas Payne e como ele se desenvolve como cineasta e contador de histórias, mas espero que o próximo filme tenha um roteiro e um foco mais fortes. Precisa ser mais consistente com o tom, a atuação e a história. Outro ponto que eu gostaria de destacar é o pedido para engavetar o tropo do relacionamento homem-filho vs. mulher padrão por um tempo. Adam Sandler basicamente explorou este tema até esgotá-lo nos anos 2000.


O filme estará disponível gratuitamente na programação do XVII Fantaspoa através da plataforma de streaming Wurlak/Darkflix, entre os dias 09 e 18 de Abril.

Corte Profundo (2020)

It Cuts Deep


IMDb | Rotten Tomatoes | Letterboxd | Filmow

Direção Nicholas Payne Santos

Duração 1h17min

Gênero(s) Terror, Comédia

Elenco Quinn Jackson, Charles Gould, John Anderson +


21 visualizações0 comentário