• Tati Regis

Carro Rei e seu discurso alegórico e empoderador

Tu acha que o ser humano é uma espécie natural, é? É não. Esse apego que a gente tem com as tecnologias já tá cravado na gente. Nós somos um animal cultural que também desenvolve tudo das ferramentas, os celulares, os carros… tá tudo entranhado e se brincar essas coisas já são tudo os filhos da gente.

Carro Rei, filme pernambucano filmado na cidade de Caruaru (PE) e dirigido por Renata Pinheiro, é o puro suco do Brasil atual. Bizarro, alheio, insano, robotizado e primata. É, parece um contraste se for pensar que o filme carrega em si tanta tecnologia, carros turbinados falantes que fazem sexo, salvam e até matam também.


Na trama temos Uno (Luciano Pedro Júnior), um garoto que nasceu literalmente dentro de um carro da frota de táxi de seu pai, chamada CarruAru (genial). Ele tem o talento de falar e entender os carros, mas a partir de um trauma de infância, ele decide esquecer essa sua habilidade e abandona o gosto pelos carros. Quando entra para a faculdade de Agronomia, contraria seu pai que sonhava em ver o filho administrando sua frota de Fiats Unos.



O clima que já andava meio tenso, aumenta mais ainda quando o prefeito baixa uma nova lei proibindo que carros velhos circulem na cidade. Ao perceber que isso colocaria em risco a frota e até a saúde de seu pai, Uno pede ajuda a seu tio Zé Macaco, um talentosíssimo e inventivo mecânico interpretado brilhantemente por Matheus Nachtergaele. Zé Macaco dá um jeito de burlar essa lei e transmuta o carro velho do pai, turbinando de uma forma que agora seu nome é "Carro Rei".


É interessante observar como a partir do gênero fantástico questões diversas podem ser abordadas e exploradas. O fascínio pelo poder, o avanço exagerado da mecanização, a robotização de uma geração de jovens, o descaso com o meio ambiente e por uma vida mais simples e a ameaça fascista como um movimento cada vez mais forte. Tudo isso é Carro Rei e não tem como ser de outra forma, já que, segundo a própria diretora, é um filme que reflete o caos atual do país.


Mas ele vai além. É um filme que parece uma cebola, e a cada camada descascada, mais subtextos aparecem como a subtrama sexual, erótica e empoderadora de Carro Rei. Ele tem desejos. É quando encontra sua parceira perfeita e cúmplice nas peripécias sexuais. Mercedes, interpretada por Jules Elting, é amiga de Zé Macaco que lhe presenteia com uma espécie de calcinha com inteligência artificial inventada por ele e que a conecta ao Carro Rei. Mercedes é uma potência, não à toa leva o nome de um dos carros mais potentes.



O desejo pelo inanimado é real e não é apenas fantasia inventada para filmes. A fala citada no início desse texto reflete bem esse fascínio crescente do humano por máquinas, abandonando cada vez mais seus instintos naturais. Mulheres confessam agora sem medo suas insatisfações com o masculino cada vez mais, e aqui me atrevo a fazer um paralelo com o crescimento do uso de sextoys e todo tipo de estimulante mecânico sexual feminino possível. Estamos assumindo isso sim com naturalidade, sozinhas ou acompanhadas e isso é muito poderoso.


Esse não é o primeiro longa de Renata como diretora, ela já tem no currículo filmes como Amor, Plástico e Barulho (2013) e Açúcar (2017), que não são de gênero, mas disse em entrevista para o Mulher no Cinema que Carro Rei é projeto antigo. Ela vem maturando a ideia e o roteiro junto dos companheiros Sérgio Oliveira e Leo Pyrata desde 2013. E mesmo que a gente enxergue várias referências à obras como Christine, o Carro Assassino (John Carpenter, 1983), Crash - Estranhos Prazeres (David Cronenberg, 1996) ou até a animação da Disney, Carros (2006), ela disse que não se inspirou especificamente em nenhuma obra.


A ficção científica de Renata Pinheiro conta ainda com trilha original de DJ Dolores, participação de Tavinho Teixeira como o Deputado Audileyson e a voz do Carro Rei, Adélio Lima como Josevildo e Clara Pinheiro como Amora, uma personagem que também carrega grandes significados e contrapontos na trama. É de fato uma produção muito rica e extraordinária, não à toa ganhou como melhor filme no Festival de Cinema de Gramado e agora está em exibição de forma online e gratuita no Cinefantasy 12 através da plataforma de streaming Innsaei.TV, entre os dias 09 e 19 de Setembro.


Carro Rei (2021)


IMDb | Rotten Tomatoes | Letterboxd | Filmow

Direção Renata Pinheiro

Duração 1h39min

Gênero(s) Ficção Científica

Elenco Luciano Pedro Júnior, Matheus Nachtergaele, Jules Elting +


53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo