• Tati Regis

"Skull: A Máscara de Anhangá" estreia no Brasil na semana das bruxas

Após décadas desaparecido, um artefato místico conhecido como “A Máscara de Anhangá” ressurge na metrópole de São Paulo. A máscara possui o imenso poder de encarnar uma entidade milenar. A policial Beatriz Obdias (Natallia Rodrigues) e o herdeiro da guarda do artefato Manco Ramirez (Wilton Andrade) são arrastados para o rastro de terror e sangue deixado pela Máscara.

Skull é um slasher sobrenatural bem brasileiro, cheio de lutas que lembram filmes clássicos de Kung Fu e com uma estética de linguagem de HQs. Por ser um slasher, ele carrega algumas características desse subgênero, como as mortes por punição moral ou social, embora o modus operandi do assassino seja ausente de um padrão, pois para ele tanto faz matar ricaços como jovens pobres.


A trama ainda envolve uma policial badass que fica responsável pelas investigações dos assassinatos e é dela também a responsabilidade de investigar o sumiço de crianças de uma comunidade boliviana. É nítido que Armando Fonseca e Kapel Furman, roteiristas e diretores, conseguiram imprimir essa identidade de cinema de gênero brasileiro na obra ao mesmo tempo que soa como universal. A escolha por São Paulo mostra que a narrativa poderia acontecer em qualquer grande metrópole que foi construída sob muito sangue e suor dos povos originários.

Antes de sua estreia no Brasil, o filme teve uma trajetória de sucesso em festivais de gênero por aqui e foi lançado nos EUA como "A Shudder Original" e distribuído em mais de 10 países, sendo destaque em diversas mídias internacionais como o The Guardian, Gizmodo, Variety, The Wall Street Journal e a revista Fangoria. E ainda tem mais, o longa ganhou diversos prêmios, dentre eles o de Melhor Atriz e Melhor Direção de Arte no Festival de Cinema de Caruaru, e Melhor Direção e Melhores Efeitos Especiais pela ACCRJ, no Festival Rio Fantastik, além de ser nomeado para Melhores Efeitos Gore pelo prestigiado Fright Fest.

Pra quem curte aquelas "podreiras" oitentistas cheias de efeitos práticos e bastante sangue, vai conseguir se divertir bastante em Skull: A Máscara de Anhangá. Além de ser responsável pelo roteiro e direção, Kapel também assina a maquiagem, efeitos visuais e práticos do filme junto com a especialista Michelle Rodrigues. Que mais e mais produções desse tipo saiam do papel. Temos bastante potencial para isso.


Fiquem atentos! A estreia de Skull nas telas brasileiras acontece no Canal Brasil à 1h10 do dia 30 de outubro no Cineterror, na madrugada da noite de sexta para sábado. E ontem, dia 28 de outubro, o filme entrou nas plataformas digitais como Claro Video, Vivo Play, Apple TV, Looke, YouTube, entre outras.


Skull: A Máscara de Anhangá (2020)


IMDb | Rotten Tomatoes | Letterboxd | Filmow

Direção Kapel Furman, Armando Fonseca

Duração 1h30min

Gênero(s) Terror, Fantasia

Elenco Natallia Rodrigues, Wilton Andrade, Rurik Jr. +


21 visualizações0 comentário