• Tati Regis

O Cadáver Exquisito de Lucía Vassallo

Clara (Sofía Gala Castiglione), é uma maquiadora de teatro e encontra sua namorada Blanca (Blanca Nieves Villalba) na banheira de casa sem sinais vitais. Enquanto Blanca está em coma, ela descobre a gravidez da parceira e percebe que foi enganada. Inconsolável pelo amor interrompido, ela passa a investigar a vida de Blanca e descobre que ela vivia uma vida paralela. Clara passa a agir de forma estranha e começa a passar por uma transformação não só física, como psicológica entre o limite da realidade e da fantasia.


Cadáver Exquisito é uma produção argentina em coprodução com a Espanha e o Brasil e conta com Lucía Vassallo na direção. Quem assina o roteiro original com ela é Sebastián Cortés. A história parte de dois pontos dramáticos que são: perder alguém que se ama e descobrir que essa pessoa não era quem você pensava que fosse. Como no método antigo de construção narrativa surrealista e na letra de uma música do cantor argentino Fito Paez, Cadáver Exquisito mostra não só a construção de uma nova personalidade quebrada pela dor, mas também uma fabulosa jornada pelas lembranças de Clara em um relacionamento íntimo com Blanca e que aparentemente só uma se entregava de verdade.



A trama vai sendo construída de forma não linear e entre idas e vindas nas lembranças, Clara se mostra cada vez mais triste, abandonada, surpresa e obcecada pela vida pregressa de seu amor. É delicado o olhar de Vassallo nas várias cenas de nudez e sexo entre as duas. Muito se fala da forma fetichizada como romances lésbicos são mostrados no cinema e aqui há um cuidado admirável. O corpo albino de Blanca é mostrado sob uma luz intensa nas cenas no hospital, como se quisesse destacar mais ainda aquela condição. Quase como um ser fantasmagórico e não sei se foi proposital, mas gosto dessa analogia e de como ela vai tomando forma à medida que as coisas ficam cada vez mais turvas na mente da protagonista. Há ainda outros personagens que aparecem à medida que as descobertas vão avançando. São pessoas da vida de Blanca e que Clara tenta um envolvimento como se quisesse sentir o que Blanca sentia e assim entendê-la. O ser humano é muito complexo.


O filme, a meu ver, falha quando opta pelo medo suspenso. Não funciona, embora continuemos a querer saber onde aquela transfiguração vai dar. Poderia ser uma obra que mostrasse e levantasse discussões acerca da monstruosidade feminina ou loucura, mas a histeria aqui é colocada de uma forma mais sútil, mais lenta e contemplativa. É uma produção esteticamente muito bonita e bem cuidada, mesmo demonstrando algumas vezes o seu baixo orçamento. Há um certo cuidado, principalmente com a luz, o jogo de cores e alguns enquadramentos. Entre mortos e feridos, Cadáver Exquisito merece ser visto por todas as abordagens citadas, mas também pela forma como a relação das duas são mostradas não se apegando aos estereótipos. Se há uma moral, não sei. Tenho a impressão que isso foi deixado para o espectador decidir.


O filme estará disponível gratuitamente na programação do Cinefantasy 12 através da plataforma de streaming Innsaei.TV, entre os dias 09 e 10 de Setembro.

Cadáver Exquisito (2020)


IMDb | Letterboxd | Filmow

Direção Lucía Vassallo

Duração 1h28min

Gênero(s) Drama, Thriller

Elenco Sofía Gala Castiglione, Blanca Nieves Villalba +


35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo